Pontos-de-sustentacao-Criofrequencia

Pontos de sustentação: o que são e como trabalhá-los com a Criofrequência

Você já ouviu falar em pontos de sustentação? Não? Então fique ligado nesse artigo que vamos te contar tudo sobre eles!

Entender sobre os pontos de sustentação vai ajudar aqueles profissionais que trabalham com a Criofrequência, mas podem não ter tanto resultado ou eles não serem duradouros.

Esse problema acontece, muitas vezes, por falta de entendimento sobre a ação da alta tecnologia e como explorar ao máximo as suas infinitas possibilidades. Além de que pode acontecer falha no momento da avaliação, o que reflete em um tratamento inadequado para aquele determinado objetivo.

Trabalhando os pontos de sustentação não tem erro, mesmo em clientes não comprometidos o resultado é certo.

Para começar, vamos entender então o que são os pontos de sustentação.

O que são pontos de sustentação?

Pontos de sustentação são regiões específicas que devem ser trabalhadas a fim de estimular o colágeno estrutural, gerando um resultado refletido na área foco do tratamento.

Muitas vezes o cliente se queixa de um incômodo em determinada região, mas que se o profissional não souber avaliar direito e não tiver o raciocínio clínico adequado, vai trabalhar só na área da queixa e não vai ter o resultado esperado. E por que isso acontece?

Porque o profissional não trabalhou o ponto de sustentação interligado àquela região também. Solucionou o problema, mas a sua causa não. Tratando só o problema você pode até ver algum tipo de resultado, mas se tratar a causa aí sim ele será potencializado e mais duradouro.

Vamos a um exemplo prático: seu cliente vai na clínica pois tem a pele flácida, que reflete em um volume que o incomoda no abdômen inferior. Você trata somente essa região, mas não tem resultado. Isso aconteceu pois a causa do volume era a pele flácida no abdômen superior, que “pesou” e refletiu no inferior. Como não se tratou a causa do problema, ele persistiu e o seu cliente não ficou satisfeito.

Se tivesse realizado a avaliação corretamente, ao trabalhar o ponto de sustentação, haveria uma retração tecidual no abdômen superior que “levantaria” também o abdômen inferior, o que levaria à redução do volume ali existente e resolveria a queixa da paciente de flacidez na barriga.

O exemplo foi do abdômen, mas acontece em todo o corpo e também no rosto, já que os pontos de sustentação no rosto também existem. Existem áreas que, quando trabalhadas, influenciam diretamente em outras regiões e a elas podemos chamar de pontos de sustentação, uma vez que, como o próprio nome já diz, tem a função de sustentar, ancorar as demais.

Por que estimular o colágeno estrutural com a Criofrequência

Sabe qual é o erro de muitos profissionais da estética e que acaba interferindo no resultado do cliente? Não ter conhecimento suficiente para entender o que aquele determinado tratamento faz fisiologicamente e como ele age no organismo do paciente.

Quando o cliente se queixa de pele flácida, muitos profissionais, acham que devem trabalhar somente o colágeno superficial derme acima. Falta conhecimento para entender que existe colágeno inclusive na hipoderme e que é de fundamental importância trabalhar também esse colágeno estrutural, mais profundo, para ter melhores resultados e com efeitos mais duradouros.

Embora o colágeno esteja mais presente sim na derme, a pele tem, essencialmente, três camadas, que podem ser descritas conforme abaixo, segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia – SBD.

Camadas da pele:

Epiderme

É a parte visível a olho nu, sendo a camada mais externa, que tem como principal função a proteção contra danos externos, toxinas e perda de líquidos. Nesta camada se encontram os melanócitos, que produzem a melanina e também se originam as unhas, pelos e glândulas sebáceas e sudoríparas. Nesta camada o colágeno está presente, mas em pouca quantidade e não é tão resistente;

Derme

É a camada intermediária da pele. Nesta camada é que as fibras de colágeno e elastina se formam, dando firmeza, elasticidade, tonicidade e equilíbrio à pele. Aqui também existem vasos sanguíneos, terminações nervosas, folículos pilosos, nervos sensitivos e demais estruturas. É na Derme que se concentra a maior quantidade de colágeno estrutural, sendo formada por cerca de 70% dessas proteínas.

Hipoderme

É a camada mais interna da pele, onde há o armazenamento de energia (através das células adiposas) para desempenho das funções biológicas e também manutenção da temperatura corporal. Na hipoderme se encontram os septos tissulares, que são fibras especiais de colágeno que mantem as células adiposas juntas.

Entendendo essa estrutura, fica bem claro que é importante trabalhar todas as camadas da pele quando o objetivo é a redução da flacidez. Para se ter resultados satisfatórios e duradouros, não adianta se trabalhar somente superficialmente.

Fazendo analogia com uma parede rachada, por exemplo, se você só trocar o reboco, na hora pode até parecer que resolveu o problema, mas não. A causa, que é a falta de cimento entre os tijolos (que no caso da pele é o colágeno estrutural) não foi resolvida, então, logo mais rachaduras irão aparecer.

É a mesma situação de uma abdominoplastia, por exemplo. Ao retirar a pele em excesso na região, o médico não retira somente superficialmente, mas sim todas as camadas, inclusive a subcutânea. Se isso não acontecer, o resultado não será satisfatório.

A ação da Criofrequência

E no caso de tratamentos estéticos então, como trabalhar esse colágeno estrutural? Usando alta tecnologia como a Criofrequência para sinterizar colágeno, que consegue ter uma ação profunda na pele através da opção Multipolar, de 400W. E o grande diferencial da Criofrequência contra flacidez e gordura localizada é conseguir trabalhar, simultaneamente, profundamente e superficialmente, com a opção Multipolar de 650W.

Trabalhando os pontos de sustentação com Criofrequência da Body Health, através da alta concentração de energia gerada pelas ondas eletromagnéticas do equipamento, há uma retração tecidual instantânea por meio da contração das fibras de colágeno estrutural já existentes. Além desse efeito lifting instantâneo, a Criofrequência funciona estimulando a formação de novas fibras colágenas de melhor qualidade, tendo pico de 21 dias e durando até 10 meses.

Com a ação da Criofrequência nos pontos de sustentação, o colágeno estrutural que está frouxo se reestrutura e reorganiza, dando mais modelagem à área foco do tratamento após a retração tecidual.

Em quais áreas ficam os pontos de sustentação?

Os pontos de sustentação estão localizados em áreas estratégicas, tanto do rosto, quanto do corpo.

  • No abdômen temos os pontos:
Pontos de sustentação no abdômen
  • Na sustentação da perna, temos os pontos:
Pontos de sustentação na perna
  • Na sustentação no interno de coxa, temos os pontos:
Pontos de sustentação no interno de coxa
  • No glúteo, temos os pontos:
Pontos de sustentação no glúteo
  • Na região posterior da coxa, temos os pontos:
Pontos de sustentação no posterior de coxa
  • No braço, temos os pontos:
Pontos de sustentação no braço
  • Na região do intercostal e flanco, temos os pontos:
Pontos de sustentação no intercostal
  • Na região facial temos os pontos:
Pontos de sustentação na face

Como analisar na avaliação quais pontos de sustentação trabalhar?

A avaliação bem feita é primordial para o sucesso do tratamento. É nela que o profissional irá analisar as particularidades de cada paciente e alinhar o tratamento às expectativas.

Entender a queixa do cliente e ter um raciocínio clínico adequado é muito importante para saber traçar quais caminhos seguir no tratamento. A partir disso, o profissional terá capacidade de analisar quais pontos de sustentação trabalhar para que se resolva a queixa do cliente e ele fique satisfeito.

Por exemplo, a queixa é que o volume do flanco incomoda. Mas ao avaliar, o profissional coloca o cliente na frente do espelho, levanta um pouco a parte do intercostal (simulando a retração que a Criofrequência causa) e vê que dá resultado no flanco.

Ou seja, o problema maior não é nem o volume do flanco, mas a pele flácida do intercostal, que dá um “peso” que reflete no flanco, aumentando o seu volume. Trabalhando a Criofrequência para flacidez na região, além do flanco diretamente, estimular o colágeno no ponto de sustentação nesse caso melhorará muito o resultado.

No momento da avaliação é que o profissional terá a oportunidade de identificar todas as características do paciente que poderão ajudar ou atrapalhar no tratamento. É o momento também de ver quais são as expectativas do paciente e explicá-lo tudo o que será feito, quais caminhos percorrer para atingir aquele determinado objetivo.

É muito importante informar o paciente sobre tudo, para saber o que realmente será feito e qual objetivo de cada etapa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
💬Atendimento Online