Descubras as principais Contraindicações da Criofrequência

Você sabe quais são as contraindicações da Criofrequência? Por mais seguro que possa ser, todo tratamento estético tem algumas restrições e você precisa se atentar a isso antes de realizar o procedimento em seus pacientes.

Não é segredo para ninguém que a Criofrequência é a melhor opção para quem busca excelentes resultados para redução da gordura localizada e tratamento da flacidez tissular. E, quem busca oferecer em sua clínica de estética um tratamento diferenciado e com resultados reais, certamente conhece esse tratamento, que é considerado um dos 5 melhores do mercado.

Trabalhando com temperatura negativa na sua ponteira resfriada, que chega a -10ºC na superfície, o BHS 156 Full da Body Health alia os benefícios da Radiofrequência a um sistema crio, que potencializa os resultados através do choque térmico gerado pelo encontro das temperaturas opostas, já que internamente se alcança algo em torno de 60ºC de temperatura.

Ads BHS 156 Full Criofrequência

Os efeitos do tratamento com a Criofrequência são inúmeros, possibilitando, principalmente, o combate à gordura localizada, por promover uma degradação do tecido adiposo e estimular a formação de novas fibras de colágeno, o que ameniza sinais do envelhecimento e melhora o aspecto da flacidez.

Não é mesmo um excelente tratamento para se oferecer em sua clínica de estética? Mas atenção, assim como qualquer outra tecnologia, esse tratamento não pode ser realizado em qualquer paciente.

Principais contraindicações da Criofrequência

A Criofrequência é contraindicada para alguns grupos de doenças e dispositivos. Por isso, é extremamente importante que você as conheça. É justamente sobre cada uma delas que vamos falar abaixo. Fiquei atento! 

Marcapasso:

O marcapasso é um dispositivo que regula os batimentos cardíacos por meio de estímulo elétrico quando o número de batimentos dentro de um determinado intervalo de tempo encontra-se alterado.

A Criofrequência é contraindicada para pacientes portadores de marcapasso pois essa tecnologia trabalha com ondas eletromagnéticas que podem desestabilizar o funcionamento correto do dispositivo.

Grávidas e lactantes:

Essas pacientes não podem ser submetidas ao tratamento com a Criofrequência, já que as ondas eletromagnéticas podem influenciar no desenvolvimento do bebê ou na lactação.

Porém, é importante ressaltar que não são permitidos estudos que provem essa influência. Por isso, essa contraindicação da Criofrequência é por questões de segurança e prevenção.

Dermatite:

Entre as contraindicações da Criofrequência encontra-se a dermatite, que é uma reação alérgica da pele que causa irritações locais, por exemplo, vermelhidão, coceira e descamação.

Pacientes com esses sintomas devem ser submetidos a uma avaliação médica para que seja avaliado o grau da dermatite em questão, já que o tratamento com a Criofrequência na região pode agravar essas inflamações e/ou infecções de pele.

Epilepsia:

A epilepsia é uma doença cerebral crônica causada por descargas elétricas anormais e excessivas no cérebro que são recorrentes e geram as crises epilépticas. 

A Criofrequência é contraindicada para pacientes portadores dessa doença uma vez que os mesmos podem ter crises estimuladas por tratamentos que promovem aquecimento.

Câncer:

Alguns cânceres têm alta probabilidade de recidiva e tratamentos que emitem onda eletromagnética, como a Criofrequência, podem influenciar negativamente.

Pacientes com histórico dessa doença devem fazer acompanhamento com o médico responsável e devem ser liberados após 5 anos da finalização do tratamento.

Uso de corticóides:

Os corticoides são uma classe de medicamentos de ação anti-inflamatória e imunossupressora. Pela sua ação no organismo, esses medicamentos interferem no estímulo biológico gerado pela Criofrequência.

Sendo assim, se o paciente faz uso contínuo de medicamentos à base de corticoides, o tratamento com a Criofrequência é contraindicado. Porém, se o uso for somente por um determinado período, deve-se aguardar, no mínimo 7 dias para realização do tratamento. Caso contrário, o mesmo não terá os resultados esperados.

Implantes de metal e/ou silicone na zona a ser tratada:

Por segurança, pacientes com implantes de metal e/ou silicone não devem fazer a Criofrequência na área, uma vez que os mesmos podem aquecer ou se movimentar conforme a onda eletromagnética, como é o caso da opção Monopolar, por exemplo.

As contraindicações da Criofrequência mencionadas acima são gerais. Mas, assim como em qualquer tratamento estético, é primordial que o profissional responsável faça uma avaliação criteriosa no paciente antes do início das sessões. Dessa forma, é possível traçar um perfil do paciente e identificar quaisquer fatores que possam impedi-lo de se submeter ao tratamento.

Quer saber mais sobre a Criofrequência, suas indicações e benefícios? Preencha o formulário abaixo e receba mais informações.






Compartilhe!